A SOMBRA NA LITERATURA E NO CINEMA




Filme O Retrado de Dorian Gray, baseado no livro de Oscar Wilde




No único romance que Oscar Wilde escreveu, O retrato de Dorian Gray, o personagem  central,  Dorian,  um  lindo  e  vaidoso  jovem da  Inglaterra  do século XIX, vê um retrato de si mesmo em que aparece maravilhosamente lindo e sem imperfeições. De repente, deseja permanecer jovem e perfeito para sempre, sem sinais de envelhecimento nem máculas. Para isto, ele faz um pacto com o diabo: Todos os sinais da idade e degradação, e até mesmo os  traços  de  ganância  e  crueldade,  a  partir  daquele  momento  apareceriam no  retrato,  e  não  em  seu  próprio  rosto.  O  quadro  então  é  escondido,  para nunca  mais  ser  visto  por  ninguém.  De  tempos  em  tempos,  entretanto,  a curiosidade  do  jovem  o  incomoda,  e  ele  cuidadosamente  tira  o  quadro  da escuridão e  dá uma  olhada rápida,  apenas  para  ver o  belo  rosto tornando-se cada vez mais repulsivo. Nós todos somos como Dorian Gray. Tentamos apresentar  uma  face  linda  e  inocente  para  o  mundo;  um  comportamento gentil e cortês; e uma imagem jovem e inteligente. E assim, sem saber, mas de  forma  inevitável,  escondemos  as  qualidades  que  não  combinam  com  a imagem,  aquelas  qualidades  que  não  aumentam  a  nossa autoestima nem provocam  onosso  orgulho  mas,  em  vez  disso,  causam  vergonha  e  fazem com  que  nos  sintamos  pequenos.  Empurramos  para  a  caverna  escura  do inconsciente  os  sentimentos  que  nos  provocam  desconforto , ódio,  raiva, ciúmes,   ganância,   competição,   luxúria,   vergonha e também os comportamentos que são considerados errados por nossa sociedade, vício, preguiça,  agressão,  dependência -criando  desta  forma  o  que  se  poderia chamar de conteúdo de sombra. Como o retrato de Dorian, estas qualidades acabam  adquirindo  vida  própria,  formando  um  gêmeo  invisível  que  vive logo  atrás  de  nossa  vida,  ou  do  lado,  mas  tão  diferente  daquele  que conhecemos quanto um estranho.
   Este estranho, conhecido em psicologia como a sombra, somos nós e, ao mesmo tempo, não é. Escondida da percepção, a sombra não é parte da auto imagem  consciente.


CONNIE ZWEIG & STEVE WOLF. O JOGO DAS SOMBRAS, iluminando o lado escuro da alma.







You Might Also Like

0 comentários